A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal

As interações entre mãe e filho levam a formação do apego, vinculo afetivo estabelecido entre ambos, que possibilita a criação de uma auto-imagem saudável. O distanciamento precoce e prolongado entre mãe e recém-nascido, denominado de privação materna, dificulta o relacionamento afetivo, repercutind...

Full description

Bibliographic Details
Main Authors: Fabiana Nascimento Lopes, Flávia Andrade Fialho, Iêda Maria Ávila Vargas Dias, Mariana Braga de Almeida
Format: Article
Language:English
Published: Universidade Federal de Juiz de Fora 2011-09-01
Series:HU Revista
Subjects:
Online Access:https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/1341
id doaj-265570d8e61641a0920975fc3f2d017b
record_format Article
spelling doaj-265570d8e61641a0920975fc3f2d017b2021-03-22T13:31:27ZengUniversidade Federal de Juiz de ForaHU Revista0103-31231982-80472011-09-01371A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatalFabiana Nascimento Lopes0Flávia Andrade Fialho1Iêda Maria Ávila Vargas Dias2Mariana Braga de Almeida3UFJFUniversidade Federal de Juiz de ForaUniversidade Federal de Juiz de ForaUniversidade Federal de Juiz de ForaAs interações entre mãe e filho levam a formação do apego, vinculo afetivo estabelecido entre ambos, que possibilita a criação de uma auto-imagem saudável. O distanciamento precoce e prolongado entre mãe e recém-nascido, denominado de privação materna, dificulta o relacionamento afetivo, repercutindo de forma negativa na saúde mental do individuo. Frente a isso foi elaborado um estudo com o objetivo de discutir a vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal; identificar a compreensão dos enfermeiros sobre o apego materno filial e descrever medidas que favoreçam o estabelecimento deste vínculo. Pesquisa de abordagem qualitativa, que utilizou para obtenção dos dados a entrevista semi-estruturada, aplicada à enfermeiros que atuam em unidade de terapia intensiva neonatal, discentes de um curso de especialização neopediátrica. A análise dos dados permitiu a elaboração de três categorias: privação e a permanência dos pais na unidade de terapia intensiva neonatal; vínculo materno filial na compreensão dos enfermeiros; e cotidiano no trabalho em unidade de terapia intensiva neonatal. Na conclusão é evidenciado que a efetiva atenção ao recém-nascido e sua família, demanda a atuação de profissionais sensibilizados e envolvidos que consolidem uma assistência integral de qualidade. https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/1341Papel do Profissional de EnfermagemUnidades de Terapia Intensiva NeonatalRelações Mãe-Filho
collection DOAJ
language English
format Article
sources DOAJ
author Fabiana Nascimento Lopes
Flávia Andrade Fialho
Iêda Maria Ávila Vargas Dias
Mariana Braga de Almeida
spellingShingle Fabiana Nascimento Lopes
Flávia Andrade Fialho
Iêda Maria Ávila Vargas Dias
Mariana Braga de Almeida
A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
HU Revista
Papel do Profissional de Enfermagem
Unidades de Terapia Intensiva Neonatal
Relações Mãe-Filho
author_facet Fabiana Nascimento Lopes
Flávia Andrade Fialho
Iêda Maria Ávila Vargas Dias
Mariana Braga de Almeida
author_sort Fabiana Nascimento Lopes
title A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
title_short A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
title_full A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
title_fullStr A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
title_full_unstemmed A vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
title_sort vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal
publisher Universidade Federal de Juiz de Fora
series HU Revista
issn 0103-3123
1982-8047
publishDate 2011-09-01
description As interações entre mãe e filho levam a formação do apego, vinculo afetivo estabelecido entre ambos, que possibilita a criação de uma auto-imagem saudável. O distanciamento precoce e prolongado entre mãe e recém-nascido, denominado de privação materna, dificulta o relacionamento afetivo, repercutindo de forma negativa na saúde mental do individuo. Frente a isso foi elaborado um estudo com o objetivo de discutir a vivência do enfermeiro diante da privação materna em unidade de terapia intensiva neonatal; identificar a compreensão dos enfermeiros sobre o apego materno filial e descrever medidas que favoreçam o estabelecimento deste vínculo. Pesquisa de abordagem qualitativa, que utilizou para obtenção dos dados a entrevista semi-estruturada, aplicada à enfermeiros que atuam em unidade de terapia intensiva neonatal, discentes de um curso de especialização neopediátrica. A análise dos dados permitiu a elaboração de três categorias: privação e a permanência dos pais na unidade de terapia intensiva neonatal; vínculo materno filial na compreensão dos enfermeiros; e cotidiano no trabalho em unidade de terapia intensiva neonatal. Na conclusão é evidenciado que a efetiva atenção ao recém-nascido e sua família, demanda a atuação de profissionais sensibilizados e envolvidos que consolidem uma assistência integral de qualidade.
topic Papel do Profissional de Enfermagem
Unidades de Terapia Intensiva Neonatal
Relações Mãe-Filho
url https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/1341
work_keys_str_mv AT fabiananascimentolopes avivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT flaviaandradefialho avivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT iedamariaavilavargasdias avivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT marianabragadealmeida avivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT fabiananascimentolopes vivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT flaviaandradefialho vivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT iedamariaavilavargasdias vivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
AT marianabragadealmeida vivenciadoenfermeirodiantedaprivacaomaternaemunidadedeterapiaintensivaneonatal
_version_ 1724207308545720320